No momento do nosso nascimento, cada planeta se encontra em uma posição específica no céu, o que reflete em características pessoais e aprendizados para as nossas vidas.

O Sol é o indicador de ATMA -a essência divina- dentro de nós.

Ele nos ensina que nossos objetivos últimos como plenitude, felicidade genuína e estabilidade são adquiridos através de esforço entusiástico, alegria e coragem. O Sol obtém força máxima no signo de Áries e fica debilitado no signo de Libra.

Nos ensina também que se forcamos apenas no mundo externo e nas opiniões alheias, esquecendo o autocuidado e ignorando a nossa essência, será difícil realizarmos nossos sonhos.

A Lua é MANAS – a mente ou psique – dentro de nós.

Ela nos ensina que uma mente saudável, feliz e plena é conquistada quando temos estabilidade e consistência em nossos pensamentos e sentimentos. Mostra que a nossa capacidade de nutrir e ser nutrido talvez seja uma das coisas mais importantes, afinal ela é a luz refrescante que nos guia na escuridão da noite. A Lua se exalta em Touro e se debilita em Escorpião.

Nos ensina também que as emoções reprimidas ou omitidas, escondidas na escuridão de nosso inconsciente, devem vir à luz do dia com sabedoria compassiva e compreensão da impermanência da existência, pois a lua é também indicadora da mudança.

Marte é Virya – a energia ou vigor – dentro de nós.

Ele nos ensina que uma vida melhor, com mais sabedoria, felicidade e bem-estar surge de esforço entusiástico. Mostra-nos que para alcançar nossos objetivos devemos canalizar nossa força, energia e vigor rumo ao objetivo de forma lógica, estratégica e ritmada, afinal Marte se exalta em Capricórnio e se debilita em Câncer.

Ainda percebemos que os desafio da vida devem ser encarados de frente, que nossos inimigos do medo, cobiça, inveja etc. não devem ser tolerados, mas sim transformados no fogo da sabedoria. É com esforço entusiástico, com um objetivo em mente e com a energia focada em coisas positivas que alcançamos nossas metas últimas.

Mercúrio é Bhuddi – inteligência intelectual – dentro de nós.

Ele nos ensina que a boca não nos leva apenas a Roma, mas também que, através de uma boa comunicação, conseguimos conquistas estados de felicidade e tranquilidade facilmente. Ele nos ensina que uma boa comunicação surge de uma linguagem com inteligência, ou seja, profunda, clara, organizada e amorosa.

Ele é o ponto de união entre o Céu e a Terra e também entre as pessoas. Devemos pensar e escolher bem as palavras que usamos, pois elas podem nos conduzir à felicidade ou à ruína e, o que é mais importante, determinam a qualidade nos nossos relacionamentos com as pessoas. Então, cautela. Use-as com sabedoria.

Podemos aprender com esse astro que jovialidade, carisma, inteligência e autoestima surgem junto com organização intelectual e emocional e que ficar divagando sem rumo não leva a lugar nenhum. Mercúrio se exalta em Virgem e se debilita em Peixes.

Júpiter é jñāna sukhada – o conhecimento que concede júbilo – em nós.

Esse astro nos ensina que a grandeza da vida é a capacidade de compreender profundamente o sentido das coisas. Nos mostra que a única forma de expansão é a da consciência e que uma vida sem sonhos e aspirações é fria e sem sentido.

Júpiter é o significador da vida, nos ensina que a busca pelo significado da vida deve ser algo central em nossa jornada. Como sua natureza é benevolente, traz à tona o ensinamento de que sem Ahimsa (não violência) teremos uma vida reduzida a experiências- similares a dos animais- e assim não aproveitaremos a raridade do nascimento Humano. Júpiter se exalta em Câncer e se de debilita em Capricórnio.

Vênus nos traz informações sobre os talentos artísticos, a criatividade, beleza, habilidade social e os gostos particulares do indivíduo.

Com este astro aprendemos que relacionamento é algo muito importante. Vênus ensina sobre nossa capacidade de experienciar a vida com contentamento e sabedoria compassiva, e sobre a necessidade de administrar nossas emoções e sensações, caso contrário, elas podem nos levar a um poço de insatisfações e nos impedir de progredir.

Este astro guarda relações profundas com a prática espiritual, afinal Vênus se exalta em Peixes mostrando que compaixão, amor, respeito e cuidado devem ser ilimitados e dedicados a todos os seres.

Vênus se debilita em Virgem e nos mostra que, se quisermos aproveitar e apreciar melhor a vida e as coisas belas, não devemos querer controlar tudo.

Saturno indica a maturidade e a responsabilidade em uma natividade.

Saturno nos ensina que nosso estado atual é o de insatisfação. Entretanto, ser birrento, imaturo e preguiçoso não ajudará a sair dessa condição. Este astro mostra-nos que com persistência, garra, compaixão e esforço chegamos a nossos objetivos últimos, a felicidade absoluta que está para além do Samsara.

Nos mostra que sem responsabilidade, preocupação com as demais pessoas e respeito a sabedoria e os mais velhos não seremos de fato adultos. Saturno fala de continuidade, então para que sejamos felizes devemos ter profundidade e ritmo em nossas atividades. Como Saturno se exalta em Libra e se debilita em Áries, ensina que o ego, o auto-centramento e o agarrar-se ao em-si apenas nos aprisiona no Samsara.

Rahu fala do apego, do desejo e do desfrute em um mapa natal.

Rahu nos ensina que o desfrute é de uma natureza insaciável e que quanto mais alimentamos nossos desejos mais eles crescem. Em verdade, não há nada errado em desejar, pois podemos desejar felicidade nossa e de todos os seres, podemos desejar sermos seres melhores com mais compaixão e amor.

Este astro alerta para que cuidemos o que estamos desejando e se não estamos sendo arrastados por desejos contaminados. O que são os desejos contaminados? São aqueles motivados por cobiça, apego, auto-centramento, egoísmo, etc.

Então, que possamos aprender a controlar nossos desejos, purificando-os e, gradualmente, tendo mais desejos auspiciosos que possamos desejar que “o mundo se torne uma terra pura sem asperezas ou espinhos, tal qual a palma da mão de uma criança”.
Que possamos aprender a desfrutar sem devastar.

Ketu em uma natividade fala de desapego, renúncia e a busca por libertação.

Este astro nos ensina a busca pela transcendência, os segredos das linguagens espirituais, ou arcana. Mostra-nos que estaremos sempre juntos de nosso passado, o fardo de tudo aquilo que fizemos. Na mitologia Ketu teve a cabeça arrancada, assim, nos incentiva a renunciar ao ego.

Ketu fala sobre contemplação, meditação e abstração, pilares que se estiverem fracos em nossa prática espiritual, certamente não permitirá avançarmos muito. Ketu nos lembra do passado e também de situações de insanidade e loucura, nos lembrando a importância de refletir sobre cada ato antes de executá-lo.

Portanto, esse Navagraha nos ensina a estarmos alinhados a razão e desenvolvendo sempre discernimento, para que não nos tornemos loucos insanos ou mesmo fundamentalistas radicais.

Sendo assim, que possamos aprender e crescer com os ensinamentos do Jyotisha.

oṃ akani nikani abhila mantala maṇḍela mantelah maḍe svāhā

Guilherme Bitencourt

Guilherme Bitencourt

Astrólogo védico e coordenador de estudos budistas. Certificado pela Academia Brasileira de Astrologia Védica (ABAV) em nível Avançado, também realizou sua formação nos institutos Sri Ganesa e Jyotisha-shastra no Brasil. Palestrante nacional da Sociedade Teosófica do Brasil. Discípulo do mestre de tantra budista Lama Michel Tulko Riponche, estudante de Astrologia Kalachakra e Saptarisis.

Leave a Reply