Capítulo 1. A Criação

Linkar

Noturno

Sumário





Uma Luz Sobre Os Dashas
Laghu Parashari Siddhantaa
Traduzido por Guilherme Bitencourt

Laghu Parashari, também conhecido como Jataka Chandrika, é um tratado clássico importante sobre o sistema Vimshottari Dasha e é baseado no Brihat Parashara Hora Shastra. Escrito em sânscrito no formato de versos de shloka usual, consiste em quarenta e dois versos divididos em cinco capítulos. O Vimshottari Dasha é o principal sistema de dashas da nossa era e este livro apresenta uma noção mais clássica sobre ele, e apresenta uma noção mais antiga sobre este conhecimento, antes da computação. Portanto, se trata de um tratado breve, mas importante, sobre a parte preditiva da astrologia védica, cuja autoria não é conhecida, embora se presuma que foi escrito por discípulos de Parashara. Ele contém todos os princípios fundamentais nos quais o sistema de Parashara se baseia e é um texto frequentemente citado.



Sumário

1. Samajna
2. Yogakaraka
3. Longevidade
4. Dashas
5. Misraka








1. Samajan

Capitulo 1, Shloka 1 - Oremos à Saraswati, aquela que possui os lábios vermelhos, que segura com as mãos uma Veena (um instrumento musical); ela é a verdadeira força de Brahma, que é graciosamente falada e honrada em muitas passagens dos Upanishads.

Notas: É costume no vedismo tradicional, orar e buscar bênçãos do divino, não somente para iniciar um trabalho nobre, como este de descrever os princípios da natureza e o funcionamento do Universo, mas também para todo o tipo de trabalho. A oração ao Todo-Poderoso está enraizada na mente dos indianos desde tempos imemoriais. A deidade que se escolhe orar invariavelmente depende da linhagem espiritual à qual se pertence. Aqui as orações são oferecidas a deidade do aprendizado de Ma Saraswati, que é a consorte e a shakti (princípio feminino) de Brahma, criador do mundo físico. O conhecimento da criação é o assunto de Brahma e é um componente de Brahma Vidya, o conhecimento supremo. Invocando as bênçãos de Ma Saraswati, o autor tentou manifestar a verdade real sobre esses shastras e não se desviar. A capacidade de converter com precisão os pensamentos em palavras é de grande importância; caso contrário, o conhecimento tem grandes chances de ser corrompido durante sua transmissão. A deidade invocada pelo autor também garantiria que o conhecimento permanecerá intacto para sempre e não seja corrompido durante sua transmissão através de vários meios.

2 - Para a iluminação dos astrólogos eruditos, componho este Udu-daya-Pradeep, com base no Brihat Parashara Hora Shastra.

Notas: Este livro foi escrito seguindo os princípios do Brihat Parashara Hora Shastra do Sábio Parashara, no entanto, o foco está apenas em uma área específica dele, que é o Vimshottari Dasha (explicado nos versos a seguir). Aqui “Udu” significa Nakshatra, “Daaya” significa métodos de temporização e “Pradeep” significa uma lâmpada. Assim, o objetivo deste livro é lançar luz sobre Vimshottari Dasha e esclarecer seus princípios. Pode-se observar que o capítulo sobre longevidade também é chamado de Ayur-Daaya.

3 - Incluiremos os resultados astrológicos (bons ou ruins) do Nakshatra Dasha Paddhati, como mostrado no Sistema Vimshottari; estas instruções não são uteis para o sistema Ashtottari.

Nota: O Sábio Parashara deu muitos sistemas de Dashas, incluindo Ashtottari. O que é mencionado aqui é que os princípios dados neste livro aplicam exclusivamente o Vimshottari Dasha e não outro sistema de dasha, como Ashtottari. Por quê apenas o sistema Ashtottari Dasha é mencionado? Porque é muito semelhante na ideia, conceito e cálculo ao Vimshottari Dasha. Outros Dashas, seja com base de Nakshatras, signos ou sistemas híbridos, são muito diferentes de Vimshottari. Portanto, fica claro aqui que, embora Ashtottari seja semelhante ao Vimshottari, os princípios mencionados aqui não se aplicam a ele.

4 - Os aprendizes devem familiarizar-se com os fundamentos da Astrologia Védica através de outros trabalhos. Aqui apresentaremos e explicaremos apenas os princípios específicos.

5 - Todos os planetas (começando com o Sol) aspectam os planetas da 7ª Casa (a partir de si mesmo), com 100% de força; mas Saturno também aspecta com 100% de fora a 3ª e 10ª Casa, assim como Júpiter que aspecta com força total a 5ª e 9ª, e Marte a 4ª e 8ª Casa com força completa.

6 - Todos os planetas que forem regentes de casas trikonas, ou seja, casas 1, 5 e 9, produzem resultados harmoniosos e bons, sejam eles benéficos ou maléficos. Já os regentes das casas trishadayas (ou upachayas), ou seja, das casas 3, 6 e 11, produzirão resultados ruins em seus Dashas e sub-dashas.

7 - Acredita-se que os benéficos (Júpiter, Vênus, Lua forte e Mercúrio bem associado) quando regentes dos quadrantes, ou seja, quarta, sétima e décima casas, apresentam bons resultados; mas, de acordo com Laghu Parashari, isso não será verdade, a menos que também sejam regentes das trinas ou seja, 1, 5 e 9, simultaneamente. Do mesmo modo, de acordo com a crença popular, os maléficos (Sol, Marte, Saturno, Lua debilitada ou minguante, e Mercúrio mal associado) dão maus resultados; mas, de acordo com Laghu Parashari se, eles não regem as casas upachayas, não darão maus resultados e se tornam progressivamente cada vez mais poderosos da mesma forma que os regentes da 1ª, 4ª, 7ª e 10ª casas.

8 - Os regentes das casas 2ª e 12ª serão poderosos, não por mérito próprio; eles são grandemente influenciados na obtenção de bons ou maus resultados por sua associação ou posição no mapa.

9 – O regente da 8ª casa, em virtude dela ser a 12ª a partir da 9ª não produz bons resultados; mas se ele for também o regente do Ascendente e ocupa a 1ª ou a 8ª casa, ele se torna benéfico.

10 - Entre os benéficos, a natureza maligna de Júpiter e Vênus quando são regentes das angulares (1, 4, 7 e 10), é extraordinária. Se eles forem regentes também ou ocuparem uma das casas maraka (2 e 7), tornam-se poderosos assassinos.

11 - Mercúrio tem menos dessa natureza maligna em comparação com Vênus; a Lua tem muito menos do que a de Mercúrio. Do mesmo modo, o Sol e a Lua não são maus, sendo regentes da 8ª casa.

12 - (Em câncer) Marte, um maléfico, dá bons resultados, não por ser o regente da 10ª casa (a partir de si) apenas, mas também por ser o regente de uma casa trina (5ª) a partir de si.

13 - Rahu e Ketu, apesar de dignos, dão bons ou maus resultados de acordo com sua posição ou associação.
2. Yogakaraka

Capitulo 2, Shloka 14 - Quando existe aspecto e recepção mútua entre os regentes dos angulares (4, 7 e 10), e de trinas (1, 5 e 9), e seu segundo signo não cair em nenhuma outra casa que não sejam angulares ou trinas, eles produzem resultados extraordinariamente bons do YogaKaraka.

15 - Os regentes das trinas e angulares, ou seja, as casas 10 e 9, se forem também regentes das casas upachayas (3, 6 e 11) por seus outros signos, se tiverem aspecto, recepção ou associação mútuos, dão bons resultados.

16 - A primeira dessas relações é considerada superior à 2ª, que por sua vez é superior à da 3ª.

17 - Isso suscita uma dúvida: se os efeitos em todas as trinas e angulares serão os mesmos ou de alguma forma variadas. Este ponto será esclarecido no Shloka seguinte.

18. Entre as trinas, a 5ª e a 9ª casas são consideradas mais poderosas e se, com o regente de uma delas, o regente da 10ª casa, tiver alguma relação, então esse Yoga se tornará mais eficaz.

19 – [Agora você deverá estar com duvida se] os benéficos dão resultados auspiciosos, mesmo sem qualquer relacionamento durante o Mahadasha. Se os maléficos serão fundamentais para dar ao Yogaphal (efeito do Yoga), mesmo quando estiverem relacionados? Sua resposta é dada no verso seguinte.

20 - Se o mesmo planeta reger angular e uma trina, os resultados serão propícios. Se tiver relacionamento com o regente de qualquer outra trina, o efeito será mais auspicioso.

21 - Se Rahu ou Ketu ocupam angular ou trina e tiver relacionamento com o regente de qualquer regente de angular ou trina, o yoga será eficaz.

22 - Se os regentes da 9ª e 10ª casas também são, respectivamente, regentes da 8ª e da 11ª, sua relação não é frutífera para nenhum Yoga.

3. Longevidade

Capitulo 3, Shloka 23 - A 8ª casa do Ascendente e a 8ª da 8ª, isto é, a 3ª, são as duas casas da longevidade. As casas relacionadas à morte são as 12 de cada uma delas. Assim, o segundo e o sétimo são as casas Maraka.

24 - Destas duas maraka sthanas (2 a 7), a 2ª casa é mais poderosa. Durante o período de governo dos regentes da 2ª e 7ª, ou dos maléficos que os ocupam ou a elas associados, a morte do nativo é possível.

25 - Se um nativo, antes de seu nascimento, já viveu ou passou os períodos do Mahadasha dos mencionados Marakas ou nenhum maléfico está lá ou aspecta essas casas, o regente da 12ª casa do Ascendente durante seu período de Mahadasha pode ser esperado para afligir a morte.

26 - Na ausência do período do Mahadasha de todos ou de qualquer um desses regentes, o Mahadasha de um planeta benéfico que aspecte ou torne-se o regente da 12ª casa pode ser declarado como responsável pela morte. O fim também pode ser possível no Mahadasha do regente da 8ª casa.

27 - Na ausência dos Marakas anteriores, os agentes que causam a morte podem ser atribuídos aos regentes das sucedentes, que podem ser fatais em seus períodos principais ou subperíodos.

28 - Se Saturno estiver mal disposto e relacionado aos planetas Maraka, ele será o primeiro a infligir morte.


4. Dashas

Capitulo 4, Shloka 29 - Todos os planetas não dão resultados bons ou ruins de acordo com seu Atmabhavanurupa (a), durante seu próprio Antardasha em seu próprio Mahadasha.

Notas: (a) Atmabhavanurupa é um termo perdido em astrologia védica, mas tudo indica que trata-se de uma maneira de quantificar a força das casas.

30 - O regente do Mahadasha dá o resultado de seu próprio efeito nos Antardasha dos planetas que estão relacionados a ele e são próximos em natureza (o nono).

31 - Aqueles planetas que dão resultados contrários ao Atamasvabhava (a), do regente do Mahadasha, os efeitos em seu Antardasha são ajustados entre os dois (regente do período governante e aqueles do subperíodo).

Notas: Caso inicie um antardasha que dará efeitos totalmente contrários aos efeitos indicados pelo Mahadasha, os efeitos devem ser mediados entre o Mahadasha e o Antardasha.

32 - No Mahadasha de um regente de angular e no Antardasha de um regente de trina produzirá bons efeitos se houver alguma relação entre eles.
No Mahadasha e Antardasha de regentes de trinas haverá bons resultados se houver alguma relação entre estes dois regentes.
Ambos dão efeitos negativos quando não há relação mútua entre os dois.

32 - Portanto, no Mahadasha regente de ângulares (Papakrit), e no Antardasha do regente de trinas, bons resultados são esperados. A palavra 'Papakrit' é aplicável aos regentes dos angulares apenas neste Shloka.

33 - Se um Raja Yoga opera no subperíodo de um planeta Yogakaraka, mas Maraka, isso melhora o efeito desse Yoga. Do mesmo modo, o subperíodo de um maléfico promove os resultados.

36. Rahu-Ketu, se posicionado em trinas ou angulares e não estiverem relacionados a nenhum outro planeta, fornecem bons resultados durante seu Mahadasha e nos subperíodos do Mahadasha de um YogaKaraka. 34 - Também no Mahadasha do planeta YogaKaraka dá bons resultados em seu subperíodo de planetas benéficos que podem não estar relacionados com o regente do Mahadasha, ele produz efeitos imediatos, dependendo de sua força.

35. Em alguns casos, o planeta YogaKaraka apresenta bons resultados em seu subperíodo durante o período principal de um benéfico relacionado a ele.

36. Rahu-Ketu, se posicionado em trinas ou angulares e não estiverem relacionados a nenhum outro planeta, fornecem bons resultados durante seu Mahadasha e nos subperíodos do Mahadasha de um YogaKaraka.


5. Misraka

Capitulo 5, Shloka 37 - Durante o Mahadasha dos planetas maléficos, os resultados são invariavelmente desfavoráveis no Antardasha de benéficos não relacionados; esses resultados são mistos (bons e ruins) no Antardasha de benéficos relacionados e esses resultados são especialmente ruins no Antardasha dos YogaKarakas não relacionados.

38 - Se os regentes dos Mahadashas são maléficos, o Antardasha de seus benéficos não relacionados sempre produz efeitos negativos; o Antardasha de seus benéficos relacionados dá efeitos mistos e o de seus YogaKarakas não relacionados dá efeitos muito ruins.

39 - O planeta que causa morte não se torna um assassino durante seu Mahadasha e o subperíodo de benéficos relacionados. Em vez disso, ele se torna um Maraka durante o período de maléficos não relacionados.

40 - Durante o subperíodo de Saturno no Mahadasha de Vênus, Saturno aprimora o resultado de Vênus, o mesmo ocorre durante o subperíodo de Vênus no Mahadasha de Saturno.

41 - Se o regente do Ascendente e o 10º trocam de lugar, isto é, o regente do Ascendente é posicionado no 10º e o 10º no Ascendente, eles formam um Raja Yoga. Eles significam posição, poder e reputação.

42 - Da mesma forma, se o regente do nono e o décimo (bhava), trocam de lugar, ou seja, eles são colocados na casa um do outro, eles formam um Raja Yoga e esse nativo é abençoado com nome, fama e poder.

Assim termina o Laghu Parashari Siddhantha
Paz a todos os seres.